Refrigerante? Não, obrigado.

Consumir a bebida faz mal, favorece o ganho de peso e o surgimento de doenças

Quem bem soubesse e entendesse a quantidade de danos que o consumo do refrigerante causa no nosso organismo a longo prazo não beberia uma só gota da bebida. Você pode até colocar na conta apenas um copo de refrigerante por dia como acompanhamento de alguma refeição, mas os resultados ruins não demoram para chegar: ganho de peso, diabetes, hipertensão, doenças cardiovasculares, dor de cabeça, insônia, agitação psicomotora e até cáries

Além de causar dependência, o refrigerante tem um teor de açúcar exorbitante e componentes químicos na sua composição que enfraquecem os órgãos, diminuindo assim a funcionalidade plena deles. Apenas uma lata de refrigerante possui o equivalente a 10 colheres de açúcar, muito além do recomendado diariamente, o que causa sobrecarga no fígado.

E há quem se pergunte se tomar refrigerante engorda mesmo. A endocrinologista e nutróloga Cassandra Lopes, especialista pela Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM), responde: “Essas bebidas têm alto índice glicêmico, carboidratos que rapidamente são absorvidos para corrente sanguínea provocando pico de insulina parar estocar essas calorias em forma de gordura; além da hipoglicemia de rebote, estimulando a fome. Segundo alguns estudos, o dióxido de carbono, presente nos refrigerantes libera a grelina, hormônio que estimula o apetite”, explica.

Isso tudo sem falar no quanto pode ser ruim esteticamente também, pois com o ganho de peso de forma abrupta e repentina podem acontecer rupturas nas fibras de colágeno e elastina da pele, ajudando na formação das estrias.

A especialista aponta a existência de estudos que situam o refrigerante como “vilão”, principalmente o que são a base de cola, por representarem perigo para os ossos aumentando o risco de desenvolvimento da osteoporose. A bebida com cafeína na composição diminuiria a absorção de cálcio no organismo - correlação ainda em estudo. Além disso, vale destacar o dano causado à saúde bucal, pois “as bactérias da boca metabolizam o açúcar do refrigerante em ácido, provocando lesão no esmalte do dente e surgimento de erosões e cáries”, esclarece Cassandra.

E tem mais! O bisfenol, uma substância que reveste a parte interna das latas de refrigerantes e impede a ação do alumínio na bebida, atua como disruptor hormonal e é associado à obesidade, infertilidade e surgimento do câncer. “A cafeína também aumenta a ansiedade e afeta a qualidade do sono, e o benzoato de sódio está associado ao Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH)”, alerta a endocrinologista.

E para quem recorre aos refrigerantes nas versões light e diet, saiba: eles não são mais saudáveis pois contém corantes, conservantes, sódio e adoçantes que também causam problemas à saúde.

Se você gosta de substituir água por refrigerante, vá parando por aí! “Água é o alimento natural que estimula o metabolismo, hidrata o corpo, previne o surgimento de doenças e que contém sais minerais benéficos à saúde. A substituição da água por refrigerantes, como fonte de hidratação rotineira, não é indicada devido aos potenciais danos à saúde já mencionados. Mas vale lembrar que na refeição devemos evitar o consumo de bebidas de uma forma geral, pois atrapalham o processo de digestão e saciedade”, orienta Cassandra.

Em resumo, os refrigerantes são pobres em nutrientes, ricos em calorias, não saciam e estimulam o apetite, por isso estão associados ao quadro de obesidade, síndrome metabólica e aumento de doença cardiovascular.

 

Os caminhos do refrigerante no corpo uma hora após a ingestão

10 minutos: chega no estômago e pode causar vomito devido ao excesso de açúcar (350 ml de refrigerante equivale 100% das necessidades diárias de açúcar);

20 minutos: como o refrigerante contém basicamente corante, conservante, açúcar e cafeína, sua absorção para o sangue é muito rápida causando pico de insulina, hormônio anabolizante que leva o ganho de peso, quando há excesso de açúcar consumido;

40 minutos: ocorre dilatação da pupila e a pressão sanguínea sobe devido aos efeitos da cafeína;

45 minutos: estímulo da produção de dopamina levando a sensação de prazer;

60 minutos: ocorre a queda de açúcar no sangue causada pelo excesso de insulina liberada, levando a sensação de sonolência e fome.

 

Como faço para acabar com o vício de tomar refrigerante?

A nutróloga Cassandra Lopes dá a dica: “O primeiro passo é desejar parar. Depois começar a ingerir volumes cada vez menores, espaçar cada vez mais as tomadas e alternar com bebidas de melhor qualidade como, por exemplo, água gaseificada com limão, água aromatizada e sucos naturais”. Com o tempo, você não vai mais sentir necessidade de tomar refrigerante.

 

ASSINE NOSSO BOLETIM

Cadastre-se e fique por dentro das novidades da revista

Matriz (14) 3322-2465

Matriz: contato@grpmais.com.br
Redação: redacao@grpmais.com.br

Matriz:
Rua Benjamin Constant, 499 
Vila Moraes - Ourinhos/SP
CEP: 19.900-041
 
Filial: 
Avenida Expedicionários, 753, Sala 1 
Cond. Vilarejo | Bairro Recreio - Vitória da Conquista/BA
CEP: 45.020-310

A REVISTA +SAÚDE FAZ PARTE DO GRUPO GRPMAIS
Revista +Saúde © Todos os direitos reservados

+SAÚDE na web:

Mudar minha localização