Jejum intermitente

A prática promove controle e disciplina sobre a comida

O ato de jejuar não é nenhuma novidade em muitas culturas, por diversas razões, inclusive religiosas. Mas, em se falando de nutrição, hoje a prática é comumente tida como prejudicial à saúde – grande parte dos nutricionistas dizem que o ideal é sempre realizar refeições a cada três horas. Mas será que isso é mesmo verdade? Conversamos com o médico e fisioterapeuta Juliano Pimentel, que é bastante conhecido nas redes sociais por suas dicas para manter o corpo saudável e em equilíbrio, para nos esclarecer várias dúvidas sobre o assunto. Ele garante que o ato de jejuar é uma prática que pode, sim, trazer vários benefícios para saúde. Leia mais!

 

- O que é o jejum intermitente? Quais são seus benefícios?

O jejum intermitente trata-se de um padrão alimentar que se alterna entre períodos de jejum e períodos de alimentação. Praticar o jejum intermitente é muito simples. Nós já fazemos jejum durante o sono, então o jejum intermitente pode ser tão simples quanto prolongar esse jejum um pouco mais. Você pode fazer isso pulando o café da manhã, comendo sua primeira refeição ao meio-dia e sua última refeição às 20h.

Dessa forma, você faz jejum por 16 horas todos os dias e restringe a sua alimentação a uma janela alimentar de 8 horas. Esta é a forma mais popular e simples de jejum intermitente, conhecido como o método 16/8. Durante o período de jejum nenhum alimento é permitido, mas você pode e deve beber água, café, chá e outras bebidas não calóricas. Sem adicionar açúcar ou adoçantes, é claro!

O que eu quero deixar claro é que essa atitude simples de jejuar irá trazer vários benefícios para a nossa saúde. O jejum leva o ser humano para um estado de introspecção e rearranjo metabólico, no qual a resistência insulínica, que é um dos grandes males atuais, cai, enquanto o glucagon, o hormônio que quebra a gordura, sobe. Além disso, ele aumenta a ativação de genes que promovem a longevidade.

O que eu percebo em meu consultório é que a relação das pessoas com a alimentação está completamente deturpada, comemos errado e comemos em exagero. O jejum se apresenta de várias formas como uma quebra de paradigma, que te liberta da necessidade de comer mesmo sem fome, facilita o seu dia a dia e ainda promove a melhora da saúde!"

 

- Qualquer um pode aderir ao jejum?

Todo adulto saudável pode e deve fazer jejum! Fora isso devemos fazer algumas ressalvas… Ele não é recomendado para crianças, pessoas com diabetes ou que apresentam alguma condição médica e tomam medicamentos, pessoas que estão abaixo do peso ou que possuem histórico de transtornos alimentares, mulheres grávidas ou amamentando. Em todos esses casos só podem fazer jejum intermitente com orientação médica. Por último, eu aconselho que todo adulto que faz uso de medicamentos procure seu médico antes de iniciar o jejum.

 

- É possível praticar atividades físicas ao mesmo tempo da prática do jejum?

Muitas pessoas acham que vão se sentir fracas ao praticarem atividades físicas em jejum. O que acontece na realidade é justamente o contrário, pois o jejum pode aumentar a energia e fazer com que você se sinta mais forte. A explicação para isso pode ser muito lógica: o fluxo sanguíneo que deveria estar indo para o intestino, você está utilizando para fazer atividade física. Por exemplo, se você faz o café da manhã e vai malhar, você vai estar competindo o fluxo de sangue para a atividade física, com a digestão.

Praticando atividades físicas em jejum, você consegue catabolizar muito mais gordura. É claro que alguns cuidados devem ser tomados. É fundamental a ingestão correta de água. O jejum é também uma ferramenta de autoconhecimento que te ensina a respeitar o seu corpo. Se a prática de exercícios em jejum causar qualquer mal-estar, a atividade deve ser interrompida.

 

- Por que muitos profissionais da nutrição ainda têm um certo receio da prática?

Existem várias linhas diferentes de trabalho e alguns nutricionistas já preconizam o jejum. Porém, a maioria dos profissionais ainda não trabalha com esse padrão alimentar devido à desinformação sobre o assunto e também questões de mercado. Acontece que muitos mitos ainda envolvem o jejum. Escuto muita gente dizer que “jejuar coloca seu corpo em modo de inanição” ou que o “jejum faz você perder músculo”. Por isso, dedico o meu trabalho à desmistificar o jejum, para que a informação sobre os seus benefícios possa chegar a mais pessoas.

 

- Como deve ser a alimentação durante a janela aberta? Pode-se comer qualquer coisa?

Para começar, é preciso ter em mente que quebrar o jejum com alimentos processados, industrializados e açucarados é um tiro no pé, pois eles irão prejudicar o processo de desintoxicação do corpo. Se alimentar bem e de forma saudável é fundamental para que os resultados do jejum possam ser ainda mais significativos e visíveis. O ideal é manter uma alimentação de verdade, à base de alimentos vivos, muita verdura, legumes, boas gorduras e proteínas.

 

- Quais os efeitos colaterais oriundos da prática?

A fome é o principal deles. A pessoa também pode se sentir fraca ou sentir que o cérebro não está funcionando tão bem como de costume. Normalmente, esses sintomas são apenas temporários, pois leva algum tempo para que seu corpo se adapte à nova programação de refeições. Tudo isso dito, o jejum intermitente é perfeitamente seguro. Não há nada de “perigoso” em não comer por um tempo se você estiver saudável e bem nutrido em geral.

ASSINE NOSSO BOLETIM

Cadastre-se e fique por dentro das novidades da revista

A REVISTA +SAÚDE FAZ PARTE DO GRUPO GRPMAIS
Revista +Saúde © Todos os direitos reservados

+SAÚDE na web:

Mudar minha localização