Silicone mamário

Tire suas dúvidas

Colocar silicone para ter os seios maiores pode ser o sonho de muita gente. A mamoplastia de aumento é uma das cirurgias mais executadas pelos cirurgiões plásticos no Brasil, que ocupa o segundo lugar no ranking mundial de implantes de próteses mamárias. O processo cirúrgico em geral é rápido, dura em média uma hora, deve ser feito com anestesia local ou geral, e "pode-se permanecer no hospital até a manhã seguinte ou receber alta após algumas horas”, explica o cirurgião plástico Victor Lima, membro especialista da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica. Mas muitas são as dúvidas na hora de escolher a prótese mais adequada e o cirurgião plástico nos ajudou a esclarecer o que é mito e o que é verdade sobre esse assunto. Confira! 

A prótese de silicone deve ser trocada a cada 10 anos –MITO!

Não necessariamente. Estamos já na 5ª geração tecnológica das próteses de silicone e isso significa uma maior compatibilidade com o organismo e mais segurança para o paciente. A prótese só deve ser trocada quando exibe alguma alteração como contratura da cápsula que a circunda – que tem um índice de ocorrência bem baixo nos primeiros 10 anos. A ruptura do implante é algo mais raro ainda e também pode ocasionar troca, mas não é nenhuma emergência e não gera nenhum prejuízo à saúde da portadora, pois os silicones de hoje em dia não migram para além da prótese.

O implante mamário impede o diagnóstico de câncer de mama –MITO!

Não! A mulher portadora de implantes de silicone precisa continuar se cuidando e se prevenindo contra o câncer mamário, fazendo auto-exame e acompanhamento com mamografia anual. Existe uma forma de fazer mamografia voltada para quem tem próteses que visa mostrar melhor ao radiologista o tecido mamário para diagnóstico de nódulos que podem vir a ser um câncer. E, no caso de dúvida após uma mamografia, pode-se fazer uma ressonância que confirme ou descarte de vez o problema.

Próteses de silicone impedem a amamentação. MITO!

A prótese de mama não afeta a amamentação! A cirurgia hoje em dia é realizada por trás da glândula mamária, portanto o espaço ocupado pela prótese não viola as glândulas e ductos que produzem e armazenam o leite materno. Entretanto, há de se saber que a amamentação é uma complexa atividade fisiológica dependente do bom funcionamento de diversos processos hormonais, neurológicos e psicológicos. Portanto, mesmo mulheres sadias e não operadas podem ter dificuldades na amamentação se não houver harmonia entre todos os processos 

Existe uma idade certa para operar. VERDADE!

Sim! Os especialistas das Sociedades Internacionais de Cirurgia Plástica concordam que mulheres podem considerar cirurgias nas mamas a partir dos 18 anos. É a idade aproximada na qual a formação do tecido mamário chega a sua maturidade final, portanto estando pronto para sofrer intervenções cirúrgicas.

Pode colocar o volume que desejar. MITO!

Não! Esta é uma das dúvidas mais frequentes. É muito comum chegar ao consultório médico com uma ideia pré-estabelecida de qual tamanho de prótese é ideal para seu caso. É importante deixar o cirurgião fazer uma análise e exame completos. Apenas com estes dados e medidas precisas do seu tórax, associado ao seu desejo de tamanho, é que se pode ter uma ideia de qual é o tamanho de prótese ideal.  Cada caso deve ser tratado de forma específica, e, às vezes, a prótese que ficou perfeita na sua amiga pode não ficar perfeita em você – e é dever do seu cirurgião escolher o tamanho de implante que trará a você o resultado final satisfatório.

A prótese funciona também para levantar os seios. VERDADE!

As próteses de mama tem a capacidade de levantar mamas caídas. Entretanto, quando a queda é considerável, somente a inclusão de implantes pode não ser o suficiente para reposicionar as mamas de forma adequada. Nestes casos, é necessário associar a colocação das próteses a uma técnica de suspensão mamária que retira excesso de pele e glândula.

ASSINE NOSSO BOLETIM

Cadastre-se e fique por dentro das novidades da revista

A REVISTA +SAÚDE FAZ PARTE DO GRUPO GRPMAIS
Revista +Saúde © Todos os direitos reservados

+SAÚDE na web:

Mudar minha localização