Soluços persistentes precisam de atenção!

O soluço pode ser dividido em categorias baseadas em sua duração

Os soluços repentinos são muitas vezes motivos de muitas brincadeiras. A orientação básica é sempre não comer ou beber muito rápido ou rir muito. Certo? Pode até ser, mas caso eles se tornem persistentes, podem transformar uma simples brincadeira em um caso grave de saúde.

O soluço pode ser dividido em categorias baseadas em sua duração: os episódicos, que podem ser causados pela hiperdistensão gástrica (comer demais), pela ingestão de bebidas gasosas e aerofagia (mascar chicletes, tabagismo) e insuflação do estômago durante endoscopia e os persistentes e os intratáveis, que podem levar a efeitos adversos com desfechos graves como desnutrição, perda de peso, insônia, fadiga, estresse mental e prejuízo da qualidade de vida. Segundo especialistas, pouco se sabe sobre a incidência de soluções intratáveis ou persistentes.

Alguns estudos demonstraram que mais de 200 casos de soluço persistente ou intratável apresentavam-se na maioria em idosos do sexo masculino e com doenças associadas. Soluços episódicos, por serem habituais e por cessarem espontaneamente, não necessitam de avaliação. No caso de soluços persistentes por mais de 48 horas, há necessidade de investigação de alguma causa que se apoia em doenças clínicas.

A investigação se inicia por uma anamnese minuciosa (entrevista detalhada com o profissional de saúde) e por exames complementares, como os de sangue, ressonância magnética, broncoscopia, endoscopia, teste de função pulmonar, entre outros. Algumas manobras físicas podem ser realizadas a fim de parar os incômodos "hics", como prender a respiração ou soprar contra um obstáculo, estimular a nasofaringe ou a garganta por meio de ingestão de água gelada, gargarejo ou ingestão de açúcar puro, fazer pressão sobre os olhos para estimular o nervo vago e manipular o diafragma – fazer flexão das coxas sobre o tórax ou apoiar o tórax contra uma superfície.

Contudo, se tudo isso não der certo e for diagnosticado um caso de soluço persistente ou intratável, algumas drogas podem ser utilizadas. Terapias alternativas mostraram algum resultado em casos selecionados, como hipnose e acupuntura. A cirurgia para o bloqueio do nervo frênico e para a implantação de um marca-passo respiratório pode ser utilizada em casos refratários e com resultados ainda em estudo.

O soluço é uma contração involuntária, intermitente e espasmódica do diafragma e dos músculos intercostais. Esta contração dá origem a uma inspiração súbita e termina com o fechamento abrupto da glote, o que gera o som de "hic" característico. Na maioria das vezes é inofensivo, possui uma frequência média de quatro por minuto e desaparece espontaneamente em alguns minutos.

O que causa soluço ainda é desconhecido e envolve as vias neurológicas que formam um arco reflexo. Essas vias abrangem nervos como o frênico (diafragma), o vago (responsável pela inervação de grande parte das funções digestivas) e conexões no sistema nervoso central. Não se sabe se há algum papel fisiológico para o soluço. No útero, acredita-se que soluço no feto tem a ver com exercícios respiratórios, antes do nascimento.

 

 

ASSINE NOSSO BOLETIM

Cadastre-se e fique por dentro das novidades da revista

A REVISTA +SAÚDE FAZ PARTE DO GRUPO GRPMAIS
Revista +Saúde © Todos os direitos reservados

+SAÚDE na web:

Mudar minha localização