Bullying

O BULLYING PODE AFETAR SEUS FILHOS MAIS DO QUE VOCÊ IMAGINA

Bullying é uma palavra derivada do inglês, que pode ser traduzida como “intimidar” ou “amedrontar”. O Bullying sempre existiu, porém, atualmente, pais e especialistas têm voltado seus olhos contra essa prática que causa muitos transtornos na vida de jovens e adolescentes.

De acordo com psicóloga e psicopedagoga Raquel Pires, sua principal característica está relacionada com toda forma de ação agressiva intencional e repetitiva efetuada contra uma determinada pessoa. “O Bullying acontece com maior frequência na escola, onde crianças e jovens debocham, humilham, implicam, ofendem, perseguem, excluem e agridem uns aos outros e criam apelidos estranhos através de agressões verbais e físicas. O que, à primeira vista, pode parecer um simples apelido inofensivo, pode afetar emocional e fisicamente a pessoa agredida”, ressaltou.

A pessoa que pratica o Bullying é aquela que quer ser mais popular, se sentir poderosa e obter uma boa imagem de si mesma. Se você perguntar para uma criança se existe algum “grupinho” que se encaixa nessa prática, com certeza ela te dirá que sim, pois isso é mais comum do que todos imaginam.

“O alvo dessas crianças e jovens costuma sempre ser aquele ‘amigo’ que apresenta uma baixa autoestima, ficando assim mais difícil da vítima reagir e o agressor se sentir realizado pela humilhação causada no outro”, afirmou Raquel.

É de extrema importância que a escola e a família consigam detectar o mais rápido possível quando estiver ocorrendo o Bullying, pois o mesmo pode acarretar vários problemas na pessoa agredida, tais como: ela pode se recusar a ir para a escola; pode se isolar ou apresentar queda no rendimento escolar; pode apresentar doenças psicossomáticas e sofrer de algum tipo de trauma que influencie traços da personalidade; gerar um índice alto de ansiedade e de agressividade, etc.

O Bullying afeta diretamente o estado emocional da vítima. Por isso, os pais e os professores devem ficar atentos a esses possíveis sinais para que possam tomar medidas efetivas para acabar com essa prática.

“Isso só se resolve com o envolvimento de toda a escola - direção, docentes e aluno - e a família. Os professores devem visar à convivência saudável e respeitosa, mostrando o reconhecimento e respeitando a diversidade, incentivar os alunos a exercerem a solidariedade, a generosidade, a paz e a tolerância para que futuramente possam se tornar grandes cidadãos”, destacou.

Além disso, o papel principal da família é acompanhar a vida escolar de seus filhos e dialogar com eles, para que possam compartilhar os momentos de fragilidade, abrindo espaço para que falem abertamente sobre qualquer tipo de agressão que tenham sofrido ou praticado dentro da escola. É essencial para os pais que não souberem lidar com o Bullying, seja o filho deles a vítima ou o agressor, que eles procurem ajuda, falando com psicólogos ou com profissionais da área.


EM BOX

Perguntas Frequentes

 

Existe diferença entre o Bullying praticado por meninos e por meninas?

Sim. As ações dos meninos são mais expansivas e agressivas, portanto, mais fáceis de serem identificadas. Eles chutam, gritam, empurram, batem. Já no universo feminino, o problema se apresenta de forma mais velada. As manifestações entre elas podem ser fofocas, boatos, olhares, sussurros ou exclusão.

Qual o papel do professor em conflitos fora da sala de aula?

O professor é um exemplo fundamental de pessoa que não resolve conflitos usando a violência. É papel da escola construir uma comunidade na qual todas as relações sejam respeitosas.

Bullying na Educação Infantil. É possível?

Sim, se houver a intenção de ferir ou de humilhar o colega repetidas vezes. Entre as crianças menores, é comum que as brigas estejam relacionadas às disputas de território, de posse ou de atenção - o que não caracteriza o Bullying. No entanto, por exemplo, se uma criança apresentar alguma particularidade, como não conseguir segurar o xixi (tirei a vírgula) e os colegas a segregarem por isso ou darem apelidos para ofendê-la constantemente, trata-se de um caso de Bullying.

O que é Bullying virtual ou Cyberbullying?

É o Bullying que ocorre em meios eletrônicos, com mensagens difamatórias ou ameaçadoras circulando por e-mails, sites, blogs (os diários virtuais), redes sociais e celulares. É quase uma extensão do que dizem e fazem na escola, mas com o agravante de que as pessoas envolvidas não estão “cara a cara”.

Dessa forma, o anonimato pode aumentar a crueldade dos comentários e das ameaças e os efeitos podem ser tão graves ou piores. Esse tormento que é a agressão pela Internet faz com que a criança ou o adolescente humilhado não se sinta mais seguro em lugar algum, em momento algum. Para eles, a Internet é tudo real, como se fosse do jeito tradicional, tanto para fazer amigos como para comprar, aprender ou combinar um passeio.

ASSINE NOSSO BOLETIM

Cadastre-se e fique por dentro das novidades da revista

14 99602-6689

celma@grpmais.com.br

Rua Benjamin Constant, 499 
Vila Moraes - Ourinhos
CEP: 19.900-041

A REVISTA +SAÚDE FAZ PARTE DO GRUPO GRPMAIS
Revista +Saúde © Todos os direitos reservados

+SAÚDE na web:

Selecione a cidade mais próxima da sua região