Você é hipocondríaco?

Hipocondrismo é um transtorno também conhecido como neurose de doenças, ou seja, uma pessoa hipocondríaca acredita estar com alguma doença grave, ou possui um medo obssessivo de ter determinada doença.  O que acontece neste transtorno é que o hipocondríaco têm uma sensibilidade corporal maior do que outras pessoas, pelo fato de ser muito centrado em seu próprio corpo. “Qualquer alteração fisiológica, como mudança do batimento cardíaco, dores no corpo, manchas avermelhadas, entre outras, é rapidamente notada pelo hipocondríaco, e é interpretada como um risco eminente de algo fora do controle e que pode levá-lo à morte ou consequências graves e irreversíveis”, disse o Ricardo Beauchamp de Castro, psiquiatra.

Com os pensamentos de que possuem alguma doença grave, como por exemplo câncer ou Aids, que são as doenças com maior visibilidade hoje em dia, os hipocondríacos vão a hospitais e consultas com clínicos gerais para fazer exames, e assim tentar convercer a família de que realmente está doente. Após realizar exames e o médico ter comprovar a inexistência de  qualquer doença, ainda sim, o hipocondríaco confia em seus sintomas e seus pensamentos, podendo até, brigar com os clínicos gerais. Percebendo ser um paciente com hipocondrismo, o clínico geral deve encaminhar o paciente a um psiquiatra ou psicólogo, o que já é muito complicado. “Os doentes hipocondríacos são resistentes em aceitar o tratamento psiquiátrico, pois sentem essa abordagem como uma desvalorização da sua doença”, contou o psiquiatra.

Para poder afirmar que determinada pessoa é hipocondríaca, a mesma deverá apresentar esta perturbação durante pelo menos seis meses. “O hipocondríaco não é um doente imaginário, mas alguém que apresenta uma verdadeira doença crónica, uma perturbação perceptiva, cognitiva e psicológica que origina sofrimento real, disfunções psicofisiológicas, deterioração familiar e social e possibilidades de automedicação”, acrescentou Ricardo Beauchamp de Castro.

O hipocondrismo pode ser derivado de doenças psiquiátricas como a depressão e transtorno de personalidade. Estudam mostram que mais ou menos 5% de pessoas que procuram o tratamento médico, têm sintomas hipocondríacos. E o mais difícil que se tem, é fazer com que essas pessoas se tratem.

A evolução desta doença é crónica e desgastante, com episódios que duram meses ou mesmo alguns anos, seguindo-se períodos de acalmia, podendo surgir novos episódios na sequência de acontecimentos negativos de natureza psicológica ou social.  A hipocondria, não tem uma faixa etária. Entre 20 e 30 anos, é mais comum, mas ela é uma doença democrática segundo Ricardo Beauchamp de Castro.

Em todos os casos de hipocondrismo o tratamento psicológico é fundamental. E o medicamentoso é coadjuvante, segundo o psquiatra Ricardo.

 

 

ASSINE NOSSO BOLETIM

Cadastre-se e fique por dentro das novidades da revista

A REVISTA +SAÚDE FAZ PARTE DO GRUPO GRPMAIS
Revista +Saúde © Todos os direitos reservados

+SAÚDE na web:

Mudar minha localização