Dificuldade de ir ao banheiro fora de casa?

O assunto é sério e tem explicação!

Embora uma das respostas mais naturais (e necessárias) do corpo humano, falar sobre fezes ainda é um tabu para muitos. A verdade é que a grande maioria das pessoas se sente desconfortável com o assunto, ignorando a sua importância para a manutenção do bom funcionamento do nosso organismo. Sentir dificuldade de ir ao banheiro fora de casa, por exemplo, é um assunto sério e que vai muito além de uma simples “frescura”. De acordo com a proctologista do Hospital Edmundo Vasconcelos, Maristela Gomes de Almeida, há, sim, explicação para essa condição, e ela está relacionada a razões tanto fisiológicas quanto psicológicas, podendo contribuir para o desenvolvimento de problemas graves, como a trombose hemorroidária.

 

Um dos motivos de fundo psicológico pode se dar justamente em relação a mudança de ambiente, interferindo diretamente no ritual que a maioria das pessoas tem na hora de evacuar. Segundo a médica, essa alteração é capaz de bloquear ou retardar a ida ao banheiro. Somado a esse fator, há também o processo fisiológico que intensifica essa barreira. "Quando se está fora de casa, dificilmente a dieta alimentar é seguida, ocasionando uma transformação na rotina, como por exemplo, ingestão de alimentos com menos fibras, mudança de horário das refeições. Tudo isso ajuda a aumentar esse bloqueio", explica Maristela.

 

Afinal, adiar essa ação natural do organismo acarreta em consequências que vão desde um simples desconforto até fissuras na região do ânus. A proctologista esclarece que, conforme a pessoa segura as fezes, é comum surgirem problemas como formação de gases e constipação. Entretanto, a gravidade dessas complicações pode aumentar quando o bloqueio se estende por períodos longos. Com as fezes ressecadas, por conta do acúmulo por muitos dias no reto, há um aumento no esforço para eliminá-las e, em casos extremos, pode haver necessidade de uma lavagem intestinal.

 

Ela ainda alerta que, quando a evacuação não acontece por dias seguidos, existe o risco de surgirem fissuras, ou seja, a laceração da pele do ânus pelo esforço, ou, ainda, hemorroidas inflamadas, chamadas de trombose hemorroidária. A trombose é diagnosticada quando uma veia que nunca apresentou sintomas inflama, fica dolorida e para fora, podendo até sangrar. O que causa dor e inchaço (muitas vezes agudos) na região do ânus, podendo também resultar em uma coloração escura na região e haver sangramento devido a uma erosão na ano-derma, por onde se exteriorizam os coágulos. Há, inclusive, casos graves do problema, causando estrangulamento e necrose dos vasos hemorroidários.

 

Por isso mesmo recomenda-se manter uma dieta equilibrada e uma regularidade de horários mesmo em períodos de férias ou viagens a trabalho, por exemplo. Caso o problema ocorra, no entanto, não se sinta desconfortável em falar sobre o assunto e procure um médico. Segundo os especialistas do portal “Tua Saúde”, o tratamento para trombose hemorroidária deve ser feito por um proctologista e normalmente é recomendado o uso de remédios analgésicos e pomadas anestésicas. No entanto, pode haver a necessidade do uso de laxantes ou anticoagulantes, colocação de uma ligadura ou mesmo a realização de procedimento cirúrgico para remoção das hemorroidas.

ASSINE NOSSO BOLETIM

Cadastre-se e fique por dentro das novidades da revista

A REVISTA +SAÚDE FAZ PARTE DO GRUPO GRPMAIS
Revista +Saúde © Todos os direitos reservados

+SAÚDE na web:

Mudar minha localização