A ordem agora é pedalar!

Elencamos alguns motivos para você começar a se movimentar praticando o Bike Indoor

Teve um dia cheio e precisa descarregar todos os sintomas do estresse? A nossa dica para você é fazer uma aula de bike indoor, uma modalidade esportiva predominantemente aeróbica. Pedalar sem sair do lugar pode ser algo entediante para algumas pessoas, mas os estúdios de ciclismo ganharam muito espaço no Brasil e prometem aulas muito divertidas.

Uma aula de 50 minutos de bike indoor, na verdade, está longe de ser monótona. São momentos com muitas subidas, descidas, pedaladas fortes, alternando a frequência cardíaca e a respiratória. A playlist com músicas bacanas também é uma ótima motivação! Um som animado e empolgante estimula a pedalar com mais intensidade.

A modalidade é indicada “para pessoas que desejam aumentar sua capacidade cardiovascular com uma atividade de alta queima calórica e em um curto espaço de tempo. É importante que a pessoa não tenha nenhuma alteração ortopédica importante, principalmente em tornozelo, joelho e coluna”, afirma a fisioterapeuta Tatiana Caparelli, proprietária da Clínica Fisio Action, em São Paulo.

As aulas de bike indoor são sempre realizadas em grupo, o que ajuda a incentivar o esforço e a frequência aos treinos. “Um instrutor vai orientando o ritmo e comandando as variações em uma bicicleta que simula uma bicicleta de corrida, que é diferente da bicicleta ergométrica. As salas possuem sonorização e iluminação quase como uma pista de dança para estimular o máximo de esforço de cada um. É uma aula bem intensiva em que o gasto calórico pode chegar a 700 calorias, dependendo do metabolismo e do empenho individual”, explica a fisioterapeuta.

Atenção: não confunda o bike indoor com o tradicional spinning feito nas academias! Tatiana explica que, por ser focado nessa modalidade, o estúdio de ciclismo oferece os equipamentos corretos e profissionais voltados somente para essa prática, diferentemente de todos os esportes abordados na academia de forma genérica. Além disso, o ambiente é todo preparado para transportar o aluno para um momento de diversão e intensidade, proporcionando um momento com ele mesmo. 

“Todas as dificuldades ficam do lado de fora da sala. Por ser uma atividade intensa é impossível não suar. Essa suadeira durante a atividade produz endorfina, libera toxinas, principalmente sal. Suar ajuda a desinchar, limpa as artérias e relaxa os músculos. Ao final da aula a sensação que prevalece é a de dever cumprido com uma pitada de satisfação”, enfatiza Eduardo Moura, coordenador técnico da Bodytech e responsável pelas aulas no Clube Athletico Paulistano.

E frequentar os treinos de bike indoor com regularidade ajuda, sim, no processo de emagrecimento e condicionamento físico, pois as aulas são feitas em duas modalidades, como explica a fisioterapeuta. “As variações das aulas estimulam diferentes metabolismos energéticos do corpo, que podem ser trabalhados separadamente ou intercalando-os. A primeiro tipo é o metabolismo aeróbio com atividades submáximas leves – em que não se atinge a frequência cardíaca máxima, exige menos esforço para se manter por mais tempo uma atividade física – e com períodos mais longos, em que o oxigênio é a principal fonte de energia. O segundo é o metabolismo anaeróbio, com intensidade quase máxima por curtos períodos. E a principal fonte de energia está reservada nos músculos”, esclarece.

Muita gente foge da bicicleta nas academias por conta de uma história espalhada por aí de que pedalar não engrossa as pernas. Isso é um mito! “A modalidade possibilita o ganho de massa magra e tônus muscular nas pernas, glúteos e coxas. O bike indoor é uma aula cardiovascular, que exige carga na bike para a garantia de evolução no treino”, desmistifica Eduardo.

Para começar a praticar o bike indoor é necessário alguns cuidados para evitar lesões. Como orienta a fisioterapeuta Tatiana:

1ª dica: ajuste corretamente a bicicleta. Se posicione ao lado do aparelho e ajuste o banco para ficar na altura do osso lateral do quadril, um pouco abaixo da cintura.  

2ª dica: O guidom deve ser mais alto que o banco, a distância entre o banco e o guidom deve ser de aproximadamente a medida do seu antebraço e dedos estendidos.

3ª dica: A regulagem à frente e atrás do banco deve permitir que, ao manter os pedais paralelos ao solo, seu joelho fique alinhado com o tornozelo.

4ª dica: Nunca pedale sem carga.

Dica extra: Ah! Use roupas sempre confortáveis e não se esqueça de levar a toalha e a garrafinha de água para se manter sempre hidratado.

ASSINE NOSSO BOLETIM

Cadastre-se e fique por dentro das novidades da revista

A REVISTA +SAÚDE FAZ PARTE DO GRUPO GRPMAIS
Revista +Saúde © Todos os direitos reservados

+SAÚDE na web:

Mudar minha localização