A TPM vem aí?

Autoconhecimento e autocuidado são essenciais no combate aos sintomas pré-menstruais

Mulheres que o digam: entra mês, sai mês e ela geralmente aparece marcando presença – e deixando os nervos à flor da pele! Já sabe que estamos falando da TPM, não é? A sigla já é tão conhecida que nem precisa de tradução, mas quer dizer “tensão pré-menstrual”. Algumas mulheres têm a sorte de não passar por este período tão difícil, acompanhado de sensações emocionais e até dores físicas que incomodam bastante. Mas para outras, o período é bastante temido porque se transforma em uma pesadelo. Então, que tal se informar sobre o que ocorre com o corpo feminino nestes dias de sofrimento?

 

A TPM pode começar até dez dias antes do período menstrual. Está relacionada com a fase lútea do ciclo, em que o organismo aumenta a produção de progesterona e quando ocorre uma descarga hormonal. Além das questões emocionais, cólicas menstruais, cefaleia (dor de cabeça), cansaço, mamas doloridas e inchaço são apenas alguns dos sintomas mais comuns. “Algumas mulheres ainda podem apresentar alterações psíquicas que geralmente desaparecem ao menstruar”, aponta Ricardo Diniz, coordenador do serviço de ginecologia e obstetrícia do Hospital América de Mauá.
 

Os sintomas da tensão pré-menstrual podem variar de mulher para mulher. Conforme explica o ginecologista, obstetra e gerente médico do Hospital Nipo-Brasileiro, em São Paulo, Rodrigo Borsari, a intensidade da tensão está relacionada aos mais variados fatores, tais quais: genéticos; hábitos, como os alimentares e a prática ou não de atividades físicas; e ambientais, como poluição, estação do ano e estresse.

"Cada mulher reage de uma forma diferente. Afinal, a quantidade de hormônio liberada, além do meio e da forma como vivem, são diferentes. O que permite, por exemplo, que uma mesma mulher sofra bastante com a TPM em uma determinada fase da vida, mas muito pouco em outras”, esclarece.

 

Os especialistas compartilham, ainda, que há casos bastante sérios, como os de pacientes com Transtorno Disfórico Pré-Menstrual (TDPM), apresentando sintomas severos que chegam a levar a incapacidade de exercer suas atividades rotineiras. "Esses quadros costumam estar relacionados à depressão, descontrole emocional e insônia”, conta o coordenador do Hospital América.

 

Por isso mesmo, é importante manter visitas regulares ao ginecologista para a realização exames de rotina, tais como exames físicos, de sangue e de imagem. Segundo Diniz, ainda, tudo dependerá da intensidade das queixas apresentadas pela paciente. E possível, inclusive, recorrer a ajuda de tratamento psiquiátrico caso a situação alcance um nível maior de gravidade.

 

Com o correto diagnóstico médico é possível a realização do tratamento adequado para cada mulher, minimizando o temido sofrimento mensal. "Para a TPM, a primeira linha de tratamento são os analgésicos no período pré-menstrual e menstrual, geralmente anti-inflamatórios. A segunda linha são os anticoncepcionais, que eliminam essa variabilidade hormonal, trazendo melhora dos sintomas. Aliás, há várias versões de anticoncepcional disponíveis no mercado hoje, podendo ser utilizados por via oral, por meio de adesivos, injeções, anel vaginal, implantes na pele ou útero, entre outros”, exemplifica o especialista do Hospital Nipo-Brasileiro, Rodrigo Borsari.

 

O médico Ricardo Diniz complementa: “Tratamentos medicamentosos podem trazer grandes benefícios, mas a colaboração da paciente é muito importante”. Portanto, tenha calma! Não desconte a tensão desse período em uma alimentação desregulada ou em uma série de medicamentos não prescritos. “A dica é manter hábitos de vida saudáveis, como com a prática de atividade física e uma boa alimentação. Além de buscar construir um ambiente profissional, familiar e social com o menor nível de stress possível e realizar atividades que tragam prazer."

 

Afinal, qualidade de vida é essencial para qualquer tratamento e ajuda, além do mais, a prevenir a ascensão de quadros de depressão e de crise de ansiedade – problemas também relacionadas à TPM.

ASSINE NOSSO BOLETIM

Cadastre-se e fique por dentro das novidades da revista

A REVISTA +SAÚDE FAZ PARTE DO GRUPO GRPMAIS
Revista +Saúde © Todos os direitos reservados

+SAÚDE na web:

Mudar minha localização