Fibrose pulmonar

Nos casos avançados, o controle ou a reversão do quadro são muito difíceis

A fibrose pulmonar está incluída em um grupo de doenças que se caracterizam por causar inflamação dos alvéolos pulmonares, originando uma cicatrização e destruição do tecido. A fibrose pulmonar está incluída num grupo de doenças conhecidas por pneumonias intersticiais usuais.

 

Das causas que podem levar à fibrose pulmonar, estão a inalação de poeira de sílica e asbesto, poeiras orgânicas, usuários de sauna, ambientes com mofo, o uso de certas drogas e outras doenças pulmonares. Quando nenhuma dessas causas é identificada, é, então, feito o diagnóstico de fibrose pulmonar idiopática.

 

A fibrose pulmonar idiopática é a mais comum das pneumonias intersticiais, representando cerca de 60% dos casos. A maioria dos pacientes têm mais de 50 anos são homens e fumantes.

 

A tosse seca e dificuldade em respirar são os sintomas mais comuns. Com exames clínicos, observa-se o volume aéreo pulmonar com redução das trocas gasosas. Ela é uma doença progressiva e não há possibilidade de reversão do quadro, uma vez que o tecido pulmonar fora destruído. Mas existem opções de tratamento para controlar a fibrose pulmonar.

 

Nos casos avançados, o controle ou a reversão do quadro são muito difíceis. Portanto, iniciar o tratamento precocemente é fundamental para controlar a doença. O afastamento de fatores causais, dieta equilibrada, prática de exercícios cardiorrespiratórios, uso de corticóides e imunossupressores são os melhores tratamentos existentes. Oxigênioterapia e doses diferenciadas de medicações podem melhorar a qualidade de vida do paciente.

 

A radiografia pode mostrar alterações nos pulmões, como o desenvolvimento de uma pneumonia infecciosa num quadro controlado. Porém, os pacientes devem realizar uma avaliação por tomografia que irá determinar se as alterações são mesmo compatíveis com o diagnóstico – fazer um controle da sua evolução, definir outros processos infecciosos, derrames pleurais e qualquer outro achado que possa ser acompanhado pelo médico.

 

O diagnóstico requer a interação dinâmica entre pneumologista, radiologista e patologista, em alguns casos, pacientes com alterações pulmonares ou que apresentam dúvidas quanto à etiologia da doença, serão indicados pelos médicos exames invasivos como a broncoscopia ou a biópsia aberta.

 

Por Dr. Rodrigo Okamoto

(14) 3322 6016

Rua Gov. Armando Sales, 233 - Vila Moraes, Ourinhos

ASSINE NOSSO BOLETIM

Cadastre-se e fique por dentro das novidades da revista

14 99602-6689

celma@grpmais.com.br

Rua Benjamin Constant, 499 
Vila Moraes - Ourinhos
CEP: 19.900-041

A REVISTA +SAÚDE FAZ PARTE DO GRUPO GRPMAIS
Revista +Saúde © Todos os direitos reservados

+SAÚDE na web:

Selecione a cidade mais próxima da sua região