Incontinência urinária

Na mira das mulheres

Uma pesquisa realizada pela  International Continence Society  (ICS) alarmou especialistas do  mundo inteiro – eles afirmam que até 50% das mulheres terão em algum momento de sua vida a incontinência urinária. O especialista em urologia, chefe do grupo de Reconstrução Uretal da UNIFESP (Universidade Federal de São Paulo), Dr. Júlio José Geminiani, explica que a incontinência urinária acontece quando a pessoa perde a capacidade de conter a urina em qualquer situação.

A perda involuntária de urina é um problema que realmente afeta muito mais mulheres que homens, e são várias as justificativas para o problema segundo o Dr. Geminiani: primeiro porque a uretra feminina é mais curta e localizada numa região quente e úmida, favorecendo infecções do trato urinário, outro motivo é que a musculatura feminina da região intima é mais frágil, aumentando as chances da incontinência aparecer, por fim, fatores de risco como menopausa, gravidez prévia, idade, obesidade, diabetes e estresse também auxiliam a probabilidade do problema ocorrer.

O tratamento para a incontinência urinária não é simples. Para o especialista é necessário, antes de qualquer coisa, uma avaliação profunda do paciente para depois iniciar os cuidados. “O tratamento inicial tende a fortalecer a musculatura pélvica, ajudando o esfíncter urinário a restabelecer seu tônus e conter o escape de urina. Esse fortalecimento se dá através da fisioterapia de Assoalho Pélvico. Caso a pessoa não apresente melhoras, é indicado o tratamento cirúrgico, que consiste em corrigir todos os prolapsos dos órgãos genitais e sustentar a região da uretra onde atua a musculatura esfincteriana” detalha Dr. Geminiani. 

Para o especialista da UNIFESP, é extremamente necessário um diagnóstico correto, “é fundamental uma avaliação detalhada da história e comorbidades da pessoa que está com os sintomas. Outras doenças podem estar associadas, como bexiga hiperativa, sedo avaliada em conjunto, e sempre se deve descartar infecções urinárias”, ressalta o médico. Ele ainda explica que no exame é possível detectar a perda de urina e se há anormalidades quanto à região íntima feminina. 

EXERCÍCIO PARA COMBATER A INCONTINÊNCIA URINÁRIA
Deite de barriga para cima, flexione os joelhos e apoio os pés no chão, deixando-os afastados. Relaxe o abdômen e contraia os músculos do ânus. Conte até cinco e solte. Repita o exercício 50 vezes todos os dias.

ASSINE NOSSO BOLETIM

Cadastre-se e fique por dentro das novidades da revista

14 99602-6689

celma@grpmais.com.br

Rua Benjamin Constant, 499 
Vila Moraes - Ourinhos
CEP: 19.900-041

A REVISTA +SAÚDE FAZ PARTE DO GRUPO GRPMAIS
Revista +Saúde © Todos os direitos reservados

+SAÚDE na web:

Selecione a cidade mais próxima da sua região