Bafo de onça!

Saiba como eliminar o mau hálito

Ninguém escapa de acordar com um certo “odor matinal” na boca. É algo comum e pode ser resolvido com uma boa higienização bucal depois levantar e manter a escovação durante o dia. Esse cheirinho desagradável é chamado de halitose. “Todos nós estamos sujeitos a desenvolver halitose porque em condições saudáveis, o hálito é sem cheiro. É normal termos mau hálito quando acordamos devido a diminuição do fluxo salivar ou também por conta da dieta. É uma condição fisiológica e transitória”, explica Fernando Reis, cirurgião dentista especializado em Implantodontia e Estética, que atua em São Paulo.

Mas, o problema é quando o mau hálito deixa se ser só matinal e passa a gerar prejuízos pessoais, emocionais e até profissionais. No Brasil, quase 50 milhões de pessoas sofrem com a halitose e ninguém está totalmente imune a este problema. Diferente da halitose fisiológica, “a halitose patológica, é intensa. Geralmente vem da cavidade oral onde partículas ou resíduos alimentares estão entre os dentes, além do saburro lingual (aquele esbranquiçado que surge na língua), doenças periodontais como gengivite e periodontite, cáries, próteses desadaptadas ou mal higienizadas, alterações do fluxo salivar, refluxos, pacientes que fumam ou consomem álcool excesso, entre outros”, pontua o especialista.

Apenas em alguns casos, os fatores para o surgimento do mau hálito podem estar associados a problemas estomacais como gastrite, diabetes, alterações nos rins e no fígado. Mas, em 90% dos casos, o transtorno surge pelas questões já citadas.

É possível, sim, que o indivíduo não perceba a presença da halitose e isso pode até causar certo afastamento das pessoas do seu convívio, comprometendo a vida pessoal, emocional e até mesmo profissional. “Existem ainda pacientes que possuem fadiga olfatória e não reconhecem o mau hálito. Há uma adaptação ao cheiro”, esclarece Fernando. A presença de saburra e do odor desagradável na boca são os principais sinais que podem ser facilmente percebidos. Então, a melhor maneira é pedir alguém para sentir o hálito da boca.

Segundo a cirurgiã dentista Vanessa Thiesen, somente o dentista saberá avaliar a boca e identificar de onde vem o problema e também a melhor forma de tratá-lo. “O profissional faz uma avaliação das inflamações e infecções presentes na boca. Há casos mais simples que exigem apenas a remoção de áreas de retenção de alimento, como restaurações e próteses mal adaptadas. Na maioria das vezes, em poucas sessões o problema é solucionado”, orienta.

Também existem outros tratamentos para amenizar o odor “como a saliva artificial que estimula o fluxo salivar, além dos profiláticos como limpeza da cavidade bucal, dieta, tratamentos curativos para traçar um plano de tratamento direcionado feito pelo cirurgião dentista”, afirma Fernando.

Já para os casos que podem estar relacionados a problemas estomacais ou nos rins, por exemplo, o cirurgião explica que não há um padrão para o tratamento. “É necessário descobrir a causa, avaliar o estado de saúde geral e a necessidade de exames complementares, e só aí tratar a causa principal. O tratamento pode ser realizado por meio de uma abordagem multifatorial com outros profissionais como gastroenterologista, otorrinolaringologista e endocrinologista”, indica.

Ah! Alguns alimentos como alho e a cebola, por exemplo, podem provocar mau hálito, mas calma. Não é necessário evitá-los. A solução para esse problema é uma só: fazer a higiene bucal com capricho após a ingestão desses alimentos.

Por outro lado, Vanessa ainda recomenda manter distância do álcool e do cigarro. "Tanto o álcool como o cigarro trazem problemas ao hálito, aos dentes e às estruturas de suporte (osso e gengiva). O alcool é prejudicial por causar a desidratação da mucosa bucal. Já o cigarro prejudica a saúde gengival - e gengiva doente, causa mau hálito", completa a dentista

Vale lembrar também que a halitose não é uma doença, mas sua presença pode denunciar algo errado com o seu organismo. E tem mais um detalhe: o mau hálito não é contagioso! Não "pegamos" halitose de quem tem o problema nem "passamos" mau hálito para outras pessoas.

Não tem segredo! O mau hálito pode ser prevenido com uma boa higienização bucal. Se a escova de dentes e o fio dental não forem usados corretamente, os restos de alimentos podem ficar acumulados entre os dentes, na língua e na gengiva. “Isso permite que ocorra formação da placa bacteriana e a inflamação gengival – que causam a liberação do odor característico do mau hálito. Também é fundamentar beber bastante água, mantendo o corpo sempre hidratado, além de eliminar de focos infecciosos e de inflamação da cavidade bucal”, reforça a cirurgiã dentista.

Então fica aqui o recado: se você fizer sua parte, os resultados serão definitivos.

 

ASSINE NOSSO BOLETIM

Cadastre-se e fique por dentro das novidades da revista

A REVISTA +SAÚDE FAZ PARTE DO GRUPO GRPMAIS
Revista +Saúde © Todos os direitos reservados

+SAÚDE na web:

Mudar minha localização