É fato ou boato?

Cada vez mais populares, as famosas "fake news" (notícias falsas) têm dado o que falar nos últimos tempos. São tantas informações recebidas por meio das redes sociais, grupos e conversas de WhatsApp, que muita gente acaba passando o conteúdo adiante sem sequer conferir sua veracidade.

A prática de compartilhamento de notícias falsas é considerada irresponsável e pode até colocar em risco a saúde das pessoas. Pensando nisso, a equipe de jornalismo da Revista +Saúde resolveu checar algumas dessas "informações" que circulam pela Internet e compartilha agora o que é verdade e o que mentira sobre elas com vocês. Afinal, é fato ou é boato?

 

Alimentos que curam o câncer - boato

Apesar do texto que circula na Internet conter algumas recomendações verdadeiras, não há evidências de um alimento específico ou milagroso para a prevenção e/ou cura do câncer. O que previne o câncer é manter uma alimentação saudável e um peso corporal adequado, além da prática de atividades físicas. Uma dieta saudável é composta por alimentos in natura, ficando longe das chamadas carnes processadas e outros alimentos ultraprocessados - que são aqueles prontos para aquecer e consumir. O que não quer dizer que o micro-ondas seja o grande vilão, hein - já falamos isso na última edição.

Barras coloridas em embalagens indicam que o leite está vencido - boato

Um vídeo em que uma pessoa não identificada mostra as barras coloridas na caixa de um leite longa vida afirmando se tratar de indicações de que o produto estaria vencido e sendo processado novamente é falsa! A fabricante de embalagens veio a público afirmar que estas "barrinhas" são apenas um teste do setor de design para controlar a qualidade da cor dos rótulos. Além disso, existem órgãos e leis rígidas que proíbem a venda de produtos vencidos, jamais permitindo esse tipo de "reprocessamento".

Cientistas franceses conseguem remover o HIV de células infectadas - fato

Finalmente uma boa notícia que viralizou e é, de fato, verdade! Cientistas franceses do Instituto Pasteur, localizado em Paris, anunciaram um grande avanço para a descoberta da tão sonhada cura do HIV, apontando para novas possibilidades de tratamento. Segundo o jornal britânico Daily Mail, eles conseguiram destruir com sucesso todas as células infectadas pelo vírus usando inibidores da atividade metabólica. Vale ressaltar que tratam-se de pesquisas iniciais, realizadas em laboratório, onde são avaliadas as condições da técnica em organismos vivos, não em humanos. O melhor tratamento em atividade, portanto, continua sendo o uso de medicamentos antirretrovirais (ARV), que evitam o enfraquecimento do sistema imunológico, impedindo a multiplicação do HIV no organismo humano. Por isso, são fundamentais para aumentar o tempo e a qualidade de vida das pessoas que vivem com o vírus. Esses medicamentos são distribuídos gratuitamente no Brasil.

Furar dedos com agulha ajuda a salvar pessoas do AVC - boato

Sim, há um vídeo circulando pelas redes sociais que supostamente ensinaria a forma correta para se furar os dedos de quem está sofrendo um “derrame cerebral”. Teoricamente o procedimento seria capaz de salvar a pessoa. Obviamente a informação não é verdadeira. Não há nenhuma comprovação científica que furar os dedos de uma pessoa a ajudaria em caso de Acidente Vascular Cerebral. O tratamento do AVC é feito nos Centros de Atendimento de Urgência, que são os estabelecimentos hospitalares que desempenham o papel de referência para atendimento a esses pacientes. Essas unidades de saúde disponibilizam e realizam o procedimento com o uso de trombolítico, conforme Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas (PCDT) específico. É importante ressaltar, ainda, que o AVC é uma doença que é totalmente dependente do tempo. Isso quer dizer que quanto mais rápida for a identificação dos sinais e o atendimento médico, maiores serão as chances de recuperação completa.

ASSINE NOSSO BOLETIM

Cadastre-se e fique por dentro das novidades da revista

A REVISTA +SAÚDE FAZ PARTE DO GRUPO GRPMAIS
Revista +Saúde © Todos os direitos reservados

+SAÚDE na web:

Mudar minha localização